Livro aberto em mesa de madeira ao lado de xícara de café espresso e óculos dobrado em local de pouca luz

Saiba como usar a cafeína ao seu favor e turbinar os estudos

É provável, durante os estudos, que já tenha pensado como uma dose de café poderia lhe ajudar. Então, saiba como a bebida impacta no seu dia a dia, descubra as vantagens da cafeína e suas desvantagens quando em excesso, por fim, veja como usá-la ao seu favor.

Como funciona a cafeína nos estudos?

A cafeína nos estudos funciona com bloqueio da captação da adenosina, que é um neurotransmissor responsável pela sensação de fadiga. Depois de acordar, as enzimas do seu corpo começam de forma natural a metabolizar, daí a sensação de vigília gradual. 

À medida que o dia avança, os níveis crescem, então, o café bloqueia os receptores A1 no cérebro, que são incumbidos da absorção do transmissor. Este órgão, portanto, recebe menos sinais de fadiga. 

Ela fará você se sentir bem, pois a cafeína também bloqueia os A2A. No entanto, ao fazê-lo, estimula a produção de:

  • dopamina;
  • glutamato. 

Eles têm um efeito positivo e ativo no estado de sentido. Juntos, então, eles produzem a sensação de excitação duradoura e um efeito estimulante.

A cafeína tem efeitos colaterais? 

Como qualquer substância em excesso, a cafeína pode ter efeitos colaterais. Em média, deve-se consumir entre 200 e 400 mg por dia, o que representa 1 a 2 xícaras de café. 

Algumas pessoas sentirão algum impacto mesmo com essas quantidades, caso não tenham costume com a bebida. Para a maioria dos apreciadores de café, no entanto, isto é mais provável ​​com a ingestão de cafeína acima de 400 miligramas.

Local de pouca luz com livro aberto, xícara de café e agenda, ao lado de notebook
A cafeína é ótima para ajudar nos estudos, mas é bom ficar de olho nos efeitos colaterais se o consumo for excessivo. Imagem de Vladyslav Bahara no Unsplash

Muita cafeína

Mesmo para certas pessoas que têm o hábito de ingerir muita cafeína durante os estudos, o uso excessivo pode trazer alguns problemas. Então, aqui estão os possíveis efeitos:

  • tensão na cabeça;
  • inquietação nervosa;
  • tontura;
  • tremores;
  • perda de sono;
  • batimentos anormais;
  • aumento da pressão arterial;
  • desidratação.

Cafeína insuficiente

Depende mais da pessoa e mesmo assim, não existe uma situação de “cafeína insuficiente” para aqueles que não são viciados nela. No entanto, para aqueles que dependem para se sair melhor nos estudos, a falta pode causar:

  • fadiga;
  • tensão na cabeça;
  • falta de concentração;
  • dor de estômago;
  • músculos doloridos.

A cafeína é boa para os estudos?

Ela é boa sim para os estudos. A cafeína, em doses entre 40 e 300 miligramas, tem um efeito positivo na cognição de baixo nível, ou seja: 

  • estado de alerta;
  • atenção;
  • tempo de reação. 

Memória para ir bem nos estudos

Nada está decidido ainda sobre os efeitos da cafeína na memória. Contudo, não parece que ela afete a de longo prazo, além disso, está sendo estudada o seu potencial em reduzir possíveis distúrbios neurológicos. 

Já na de curto prazo, parte dela é transformada em memória de longo prazo, ou seja, você irá lembrar do que estudou em momentos posteriores. 

Nesse caso, portanto, a bebida seria, de fato, muito vantajosa para os estudos, já que há muito potencial para o ganho de memória e além disso, há os já conhecidos benefícios do café para o cérebro

Nível de energia para os estudos

O nível de energia é bastante aumentado pelo consumo de café. Mas, como visto, ao se opor aos receptores A1 e A2A, a adenosina é bloqueada, bem como, a dopamina e o glutamato são estimulados. 

Os efeitos desses dois processos geram um grande aumento de energia. Sendo assim, junto com a elevação das habilidades cognitivas, isso significa que se é capaz de manter os estudos de forma mais eficaz e por um longo período de tempo.

Concentração nos estudos

Dizer com certeza se o aumento da concentração pode vir do consumo de cafeína depende muito mais da fisiologia de cada um do que dos efeitos ditos anteriormente. 

Para poder se concentrar de forma eficaz, os níveis de dopamina devem ficar dentro de uma faixa muito exata. Mas, para muitas pessoas, os níveis já estão adequados e o consumo levará a dopamina a níveis muito altos, o que dificulta o foco. 

Alguns indivíduos, no entanto, como aqueles com TDAH (cujos níveis de dopamina são muito baixos), podem realmente se beneficiar do consumo de cafeína.

Como usar a cafeína para ajudar nos estudos?

A cafeína é, na maioria das vezes, uma boa ferramenta para os estudos. Porém, para aproveitá-lo ao máximo, existem formas boas e ruins de consumi-lo. Aqui estão algumas dicas para otimizar a ingestão de cafeína para estudar:

  • consuma a quantidade certa, sem exageros;
  • beba entre 10 a 15 minutos antes de começar a estudar;
  • consuma cerca de 45 minutos antes de começar, se estiver na forma de cápsula;
  • não tome depois de estudar, pois, você precisa deixar seu cérebro descansar.
Pessoa estudando enquanto anota algo em folha de papel com xícara de café sobre mesa de madeira
Use a cafeína ao seu favor e potencialize seus estudos, e assim, poderá se beneficiar de um bom café. Imagem de Unseen Studio no Unsplash

Qual o melhor café para os estudos?

Vai depender do gosto pessoal de cada um na hora dos estudos, pois pode ser um capuccino ou um espresso. Portanto, o que conta é saborear o seu café preferido, que você encontra na Bicafé que tem as melhores bebidas cafeinadas para todos os gostos. 

No site da marca é possível todos os produtos e no blog irá descobrir receitas, dicas e informações sobre esta bebida tão amada e consumida.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.