Café Geisha: raro, valioso e inesquecível

O café Geisha é um dos tipos mais raros e valiosos dessa bebida no mundo, chegando a custar milhares de dólares. Então, se você ficou curioso a respeito, entenda mais sobre como a sua fama começou e porque esta variedade é tão especial.

Conheça um dos melhores grãos cafeeiros que existem

As sementes que dão origem a esses grãos são de difícil plantio. Elas demoram a se desenvolver e precisam de condições específicas para isso. Dessa forma, elas vêm da planta da espécie Arábica, responsável pelos produtos de maior qualidade no setor.

Peritos da área afirmam que o seu sabor é sem igual. Dessa maneira, conheça os pontos que fazem desta uma bebida de excelência, premiada e de alto valor.

As características do café Geisha

O café Geisha apresenta notas adocicadas que se misturam a um sabor cítrico, mas não em excesso. Além disso, o produto é encorpado e tem sabores de várias flores e frutas misturadas, que variam de acordo com a safra. Assim, ele pode apresentar toques de:

  • Jasmim, orquídea;
  • Papaia, carambola;
  • Laranja, pêssego;
  • Pitanga, abacaxi e até o querido chocolate. 

Junta-se a isso, os seus quase 0% de amargor e já no pé, o fruto de sua planta é bem agradável e doce.

Porque este é um dos grãos mais caros do mundo?

Apenas pensando nesse sabor dá para entender como este café é especial. Além disso, a sua produção é bem difícil e não pode ser feita em qualquer lugar. Por isso, o produto final ganha um preço bem elevado em comparação com os outros tipos.

Essa planta tem o cultivo realizado em grandes alturas, acima de 1.000 metros pelo menos. Também, aprecia o clima úmido e pode levar até cinco anos para amadurecer de modo completo. Ainda, rende poucos frutos e eles não maturam ao mesmo tempo.

Além desses pontos, sua plantação necessita de muito cuidado e atenção. Mesmo assim, o grão tem conquistado um espaço cada vez maior no mundo. Então, para entender como o sucesso desse produto aconteceu, conheça um pouco de sua história.

Quando a fama mundial do café Geisha surgiu

Descoberta em 1931, essa planta veio da Etiópia, o lar do café. Mas, foi só em meados dos anos 60 no Panamá, que ela começou a se desenvolver. Isso ocorreu quando Don Pachi levou a planta para a sua fazenda e a cultivou em terras altas.

O prêmio que consolidou a qualidade do produto

De lá, o fruto chegou à fazenda La Esmeralda e em 2004, ganhou um prêmio da SCA. Portanto, foi a partir disso que o mundo finalmente o conheceu. A Specialty Coffee Association é uma organização sem fins lucrativos de fama mundial. 

Ela tem foco no diferencial e em especialidades de vários tipos e preparos da bebida. Ainda, é quem define um padrão de qualidade sensorial prezado de forma internacional. Por isso, quanto menor o número de impurezas e defeitos nos grãos, maior a sua nota. 

Para obter a qualificação de Café Especial é preciso uma pontuação mínima de 80, em um ranking onde o nível máximo é 100. Em 2004, a Geisha ganhou a nota 94,6 e foi vendida a valores altos, um microlote especial com menos de 500g chegou a custar 130 dólares.

Os preços e a exportação dos grãos

Por causa deste sucesso, o produto passou a ser exportado para mais de 27 países. Além disso, é produzido no Brasil e ganhou nota 93,89 em 2018, a sua saca foi leiloada por uma quantia recorde de R$ 73 mil reais.

O café Gueisha é o favorito da família imperial do Japão e seu preço, no geral, depende da raridade da saca. Mas, em território nacional é possível encontrar 250 gramas por um preço entre R$60 e R$100 reais. 

Muitos comparam o sabor do produto aos melhores chás e vinhos. Por isso, ele está entre os melhores do mundo e é o sonho de consumo de muitos experimentar uma xícara da bebida.


Para provar outros grãos da espécie Arábica, é só conhecer a variedade de cápsulas da marca Bicafé. Você, com certeza, vai aprovar.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.